segunda-feira, 2 de março de 2015

O Brasil há de vencer; esta fé há de nos salvar!

O Brasil há de vencer; esta fé há de nos salvar!


Tenho por hábito comentar neste blog Radar da Mídia notícias ou análises estampadas na imprensa. Hoje, após me debruçar sobre a imprensa diária e constatar o quadro crescentemente tumultuado da situação nacional, ocorreu-me trazer para a consideração de todos um outro texto.

De norte a sul do País se alastra um sentimento de inconformidade com a esquerda no poder. A sociedade, como um todo, vai rechaçando um projeto de poder autoritário que, por todos os meios, lícitos e ilícitos, se lhe tentou impor. Num primeiro momento, o Brasil distanciou-se da esquerda; depois ficou ressentido; e, por fim, furioso.

O comunismo se engana com o Brasil...
Em 1978, quando se assinalava mais um aniversário da revolução comunista na Rússia, Plinio Corrêa de Oliveira – esse grande líder católico, anti-comunista – alertava sobre a ameaça de um futuro perigo comunista para o Brasil, bem como sobre as ilusões que a esquerda alimentava em relação ao País e a seu povo; mas alertava também a respeito das ilusões que muitos brasileiros, imprevidentes, alimentavam em relação ao comunismo: “O comunismo se engana com o Brasil, mas eu devo acrescentar que o Brasil se engana com o comunismo”! Entretanto, acrescentava convicto: O comunismo não tomará conta do Brasil. Nossa fé em Nosso Senhor Jesus Cristo, simbolizada no Cristo Redentor, há de nos salvar!

Suas palavras de militância e de fé, carregadas de senso profético, parecem mais atuais do que nunca, motivo pelo qual aqui as transcrevo:

O Brasil há de vencer!
"Pelo brilho desta solenidade [em honra das vítimas do comunismo] eu vejo afirmada mais uma vez uma convicção que eu tenho há muito tempo e é que, a respeito do Brasil, os comunistas se enganam. Eles têm talvez a impressão de que eles poderão tomar conta facilmente do Brasil e não é verdade. Há pujanças anticomunistas no Brasil muito maiores do que eles supõem. Os senhores são uma expressão local de um fato imenso que se estende – para usar o Hino das Congregações Marianas – "do Prata ao Amazonas, do mar às cordilheiras".

Realmente, meus caros, o nosso povo é um povo muito inteligente, é um povo ao mesmo tempo muito cordato e muito pacífico, que tem no mais alto grau o senso da improvisação, e que muitas vezes vê vir de longe o perigo, e o vê chegar com o olho manso, com atitudes displicentes, com a cara despreocupada de quem não vê. Por causa disso dá a impressão de que nada fará, mas quando esse povo se sente de fato a ameaçado, ele sabe levantar-se como um só homem e sabe dar o revide à agressão comunista.

Realmente, meus caros, o comunismo se engana com o Brasil, mas eu devo acrescentar que o Brasil se engana com o comunismo. Pelo menos muitos brasileiros se enganam com o comunismo se pensam que em relação a esse inimigo, ultra adestrado, solerte, falso, especializado em aproveitar as menores circunstâncias para desferir seu ataque, valem as velhas contemporizações, cheias da simpática bonomia de outrora. Nós não estamos diante de um adversário qualquer, mas é de uma onça, de uma onça ardilosa que nos pega na noite no meio das trevas, no meio da selva, para nos devorar; que nos pega talvez nas ilusões de nossa bonomia e que nos cria em determinado momento certa situação consumada, que com previsão, com articulação, com energia, nós poderíamos ter evitado.

O comunismo não tomará conta do Brasil – eu creio nisso realmente – pela inteligência, pela força, pela fé do povo brasileiro. Mas quanto isto pode custar se o povo brasileiro não for previdente! Às nossas qualidades naturais falta a previdência, falta aquele senso de luta continuamente mobilizado e a disposição de intervir em todas as ocasiões difíceis, numa época dura e difícil como a nossa. É preciso estar de sobreaviso a respeito de tudo para não ser derrotado. A condição da vitória não é apenas a coragem, é mais do que a coragem: é a previsão, é a luta oferecida no primeiro momento, é a defesa oferecida na primeira circunstância que for necessária. É isto que é indispensável para que o Brasil vença o adversário enorme que tem diante de si. Adversário que tem porte mundial, que está fazendo estremecer todas as nações da terra.

Meus caros, nós devemos caminhar para esta perspectiva com mais audácia, com mais previsão, com mais senso de luta do que nunca, e é para esse senso de luta que eu vos conclamo associado a um ato de fé!

A imagem de Nossa Senhora de Fátima aqui está nesta soleníssima reunião. A imagem de Nossa Senhora de Fátima que em 1917 apareceu em Portugal, na Cova da Iria, precavendo o mundo contra os castigos que viriam e, antes ainda da queda do tzarismo, prevendo que a Rússia espalharia seus erros por toda parte.

O fato concreto é que desde 1917 nós estamos avisados. Nós não podemos nos deixar tomar de improviso, nós temos que abandonar a nossa posição daquele laissez faire tradicional do bom temperamento antigo brasileiro. E a militância anticomunista tem que marcar cada vez mais a nossa presença por toda parte.

A fé prevê não só o que é terreno mas o que é extraterreno também, e faz-nos prever títulos e razões de esperar e de vitória nas circunstâncias mesmo mais difíceis e mais penosas com que talvez nos defrontemos no futuro.

Eu não posso me esquecer a noite em que eu estava no Rio de Janeiro, noite em que a neblina levantada do mar cercava a estátua de Cristo Redentor no Corcovado. Não posso me esquecer que tinha os olhos fixados naquilo: durante algum tempo era apenas um foco de luz no qual eu não discernia nada; em determinado momento, batia o vento, fazia-se um pouco de claridade, eu percebia um dos braços e uma das mãos do Cristo Redentor, iluminado com aquela luminosidade especial, que a pedra sabão de que é revestido o monumento absorve a luz que sobre ele se projeta.

Pouco depois o vento batia e era a face do Cristo Redentor que aparecia, era o seu peito onde pulsa o seu Sagrado Coração, mais adiante eram os seus pés divinos que todos nós gostaríamos de oscular, mas eu prestava atenção, prestava atenção… em nenhum momento, por mais densas que fossem as névoas, a luz deixava de encontrar um certo ponto de apoio no monumento, de maneira que apenas sendo uma luz fixa sobre uma silhueta ou sobre uma mão que protege, uma mão que abençoa, um coração que palpita de amor, ou uma face que contempla com solicitude, em nenhum momento a neblina conseguiu apagar a figura do Redentor.

Esta é a fé com que nós caminhamos para o futuro, quaisquer que sejam as circunstâncias. Poderá ser que provações muito difíceis toldem dos nossos olhos as perspectivas da vitória, pode ser que circunstâncias imprevistas coloquem para nós problemas que hoje não são os nossos. Mas, para além das névoas, para além de tudo aquilo que pode tapar a verdade, no horizonte visual do brasileiro há algo que nada tira: é a imagem do Cristo Redentor, a fé em Nosso Senhor Jesus Cristo. Esta fé há de nos salvar!

Meus caros, o Brasil há de vencer qualquer que seja a situação, e é rumo a esta vitória que todos caminhamos com o passo resoluto e a alma cheia de fé".

(Trechos da conferência pública proferida no Hotel Hilton, em São Paulo, a 17 de Outubro de 1978).

4 comentários:

Anônimo disse...

Quanto maior a situação de calamidade, maior a glória do Vitorioso, N Sr Jesus Cristo.

Anônimo disse...

Li a afirmação "A condição da vitória não é apenas a coragem, é mais do que a coragem: é a previsão, é a luta oferecida no primeiro momento, é a defesa oferecida na primeira circunstância que for necessária. É isto que é indispensável para que o Brasil vença o adversário enorme que tem diante de si". E ao mesmo tempo acredita que o comunismo não será instaurado no Brasil. Desculpe, mas é uma contradição, já que o brasileiro não teve a "previsão", a "luta num primeiro momento". O brasileiro é um ser que se conforma e que não luta. A vitória do Brasil prevista neste texto acima é baseada, de acordo com este texto, somente na bondade de Nosso Senhor para com aquele país. E, não sei por quê, o orador acredita que Deus irá salvar os brasileiros sem que eles tenham tentado sequer impedir o comunismo de avançar; pelo contrário, o povo é mau caráter de nascença.

Anônimo disse...

Texto muito claro e que nos dá fortes esperanças de um Brasil melhor, com a Graça de Cristo Redentor!

Manoel José de Santana disse...

Obrigado amiga. Estou fazendo uma visita ao teu Blog. Meus parabéns pelos teus trabalhos e sucessos. Abraço de Manoel Limoeiro. Recife PE. http://grupounidoderodafogo.blogspot.com.br/