sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Lula, o "chavista" dissimulado

Lula, o "chavista" dissimulado
Inventem outra coisa para criticar o Chávez, mas por falta de democracia não é!

A frase, só podia ser do Presidente Lula, o perpétuo defensor de Hugo Chávez, o neo-ditador venezuelano.

A ilusão das duas vias
Tem-se repetido, quase à exaustão, que Chávez e Lula representariam, na América do Sul, duas fórmulas da esquerda. A primeira populista e autoritária e a segunda democrática e moderada. Vã ilusão.

Se Lula ainda não enveredou pelo caminho de Hugo Chávez é porque as condições políticas não lhe permitiram. Na verdade, Lula sempre está ao lado de Chávez para defendê-lo e justificar os atos mais arbitrários e autoritários de seu governo. A defesa feita hoje do "companheiro" Chávez é a justificação de amanhã para si próprio. Chávez é hoje o que Lula pretende ser amanhã!

A neo-ditadura do "socialismo do século XXI" é também o sonho de Lula.

Defesa velhaca
As declarações presidenciais aparecidas na imprensa são altamente significativas. Por isso as intercalei com comentários que vão em azul. A matéria, assinada por Tânia Monteiro, é do jornal O Estado de S. Paulo (15.nov.2007):

  • Em meio ao debate sobre o bate-boca entre o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o rei da Espanha, Juan Carlos, ocorrido sábado, em Santiago (Chile), durante a Cúpula Ibero-Americana, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu ontem em defesa do colega do país vizinho. “Podem criticar o Chávez por qualquer outra coisa, inventem uma coisa para criticá-lo; mas por falta de democracia na Venezuela, não é”, disse.

    Numa entrevista no Itamaraty, onde almoçou com o presidente da Guiné-Bissau, João Bernardo Nino Vieira, Lula afirmou que não faltam democracia e discussão na Venezuela. “Democracia é assim: a gente submete aquilo que acredita, o povo decide e a gente acata o resultado. Se não, não é democracia.”

    Vejam o simplismo malandro. Houve eleições, há democracia. Antes de tudo, Lula sabe bem que todas as eleições e votações na Venezuela estão envoltas em graves suspeitas, inclusive de não haver segredo de voto. Além disso, ainda que um governante tenha sido eleito democraticamente, ele pode depois vir a tomar medidas autoritárias e até ditatoriais. É o que Chávez está fazendo. E é o que Lula fará, se puder. Hitler também foi eleito e se tornou um tirano, e na União Soviética, em Cuba, na Coréia do Norte também se realizavam eleições.

    Mas a frase encerra ainda a trampa da "democracia direta", em que o líder carismático governa por consultas populares, prescindindo de todas as instituições: "A gente submete aquilo que acredita, e o povo decide".

    Reinaldo Azevedo alertou em seu blog: "O regime democrático também se pauta pela estrita observância das leis e por alguns princípios consolidados em instituições. Ademais, traz consigo um conjunto de valores. A consulta popular, não custa notar, é apenas um dos aspectos do regime democrático. E se a "população" optasse pelo linchamento de bandidos, amputação de membros ou coisa pior? Será ou não a vontade democrática? Na frase de Lula também cabe a obsolescência do Congresso. Para quê? O povo decide".

    [Lula] voltou a comparar a continuidade de Chávez no governo com a permanência de outros dirigentes europeus em seus cargos. “Por que ninguém se queixa quando Margaret Thatcher (ex-primeira-ministra britânica por 11 anos) ficou tanto tempo no poder?”, indagou.

    Diante da observação de repórteres de que eram situações distintas, o presidente reagiu: “Distintas por quê? É continuidade. Não tem nada de distinto. Muda apenas o sistema. Muda apenas de regime presidencialista para parlamentarista. Mas o que importa não é o regime, é o exercício do poder.”

    Lula passou, então, a citar o nome de outros chefes de governo que ficaram por muitos anos em seus cargos. “Ninguém se queixa do Felipe González (ex-primeiro-ministro espanhol), do Mitterrand (François Mitterrand, ex-presidente da França) e nem do Helmut Kohl (ex-primeiro-ministro da Alemanha), que ficou 16 anos no poder.”

    A comparação do Presidente Lula parece nascida da ignorância, mas está mais com cara de velhacaria. Ele sabe bem que nenhum dos citados, seja presidente, seja primeiro-ministro, exerceu o poder como em um regime presidencialista em que um mandatário reune em si a chefia do governo e do Estado.

    Os primeiro-ministros não são sequer eleitos, são seus partidos que são vencedores em eleições parlamentares. E podem ser derrubados a qualquer momento bastando para isso um voto de desconfiança do Parlamento.

    Além disso, nenhum deles, no exercício do poder, refez constituições a seu bel prazer, fechou órgãos de imprensa, armou milícias civis para reprimir opositores, dominou o Judiciário a ponto de nomear ou demitir qualquer juiz, como faz Hugo Chávez, entre outras tantas coisas.

    Para o presidente, é preciso respeitar a autonomia e soberania de cada país. “Se nós dermos menos palpites nas regras do jogo de outros países e olharmos o que estamos fazendo, todos nós sairemos ganhando”, disse.

    “Mas, se a gente achar que pode dar palpite em tudo e que só pode acontecer no mundo o que a gente quer, seremos eternamente infelizes.” E prosseguiu: “É melhor que os outros decidam os seus destinos e nós decidamos os nossos”.

    Notem bem a contradição: Lula diz que não devemos dar palpite, mas ele acaba de defender e elogiar a ditadura chavista, como "democrática". Ou seja, dar palpite. Ou será que para Lula dar palpite é apenas criticar? Há mais. Ele defendeu justamente Hugo Chávez por se ter pronunciado sobre a realidade política da Espanha, ao chamar de "fascista" o ex-primeiro ministro Aznar.

    Notem ainda a frase pronunciada em tom de conselho benevolente: "É melhor que os outros decidam os seus destinos e nós decidamos os nossos". Mais uma enganação.

    Porque não foi assim quando Lula enviou Marco Aurélio Garcia à Bolívia, para pressionar o Presidente Sanchez de Lozada (eleito democraticamente) a renunciar, sob ameaça de convulsões sociais.

    Também não foi assim quando Lula utilizou o Grupo de países amigos da Venezuela para favorecer Chávez e prejudicar a oposição.

    Uma vez mais não foi assim quando Lula foi à Síria, e ao lado do ditador Bashar Assad, fez um violento discurso contra o Estado de Israel. E vamos parar por aqui.

Quem teve a oportunidade de ver a breve entrevista de Lula percebeu que o Presidente, literalmente, atropelou os jornalistas, não lhes permitindo quase questionamentos. Afinal não poderia ser contraditado e ver expostos seus sofismas malandros, perpassados por um cinismo desavergonhado.

Alguém ainda pode ter dúvidas de qual o futuro que Lula e o PT desejam para o Brasil? Só uma dose inimaginável de ingenuidade ou de cegueira pode impedir de ver o óbvio. O ideal de Lula é a ditadura chavista, que ele chama de "democracia".

Cadastre seu email aí ao lado e receba atualizações deste blog.

6 comentários:

tita coelho disse...

O Lula é tão demente que não se tem o que falar!! Bom...eu só estava esperando na verdade ele resolver defender o Chávez!! Chávez é o herói do Lula...tudo o que ele fez na Venezuela com certeza Lula que fazer aqui!!
beijos bom final de semana :)

Thèrese disse...

O Sr. Lula não é um Chávez, não é porque ele não queira. É porque ele não pode. Chávez fecha uma emissora de TV e no lugar põe uma emissora estatal. No Brasil, Lula e sua gente cria mecanismo de compensação. Cria-se uma emissora pública para ser uma VOZ OFICIAL "mais eficiente" do que as demais emissoras.

Otaviano disse...

Ontem em seu programa na rádio, Chávez festejou as declarações do amigo Lula que disse que não é posssível criticar a Venezuela por falta de democracia. Chávez pediu aplausos a Lula assim que terminou de ler as declarações do amigo na rádio.LULA APOIOU A DITADURA CHAVISTA E A CHAMOU DE DEMOCRACIA. O ditador Chávez em retribuição pediu aplausos ao apedeuta Lula. Cada um deles merece a deferência do outro. Só para fechar, citando o polêmico Clodovil "boi preto conhece boi preto".

Anônimo disse...

A democracia que vc conhecem é o golpe de estado.
Carmona,Asnar, monarca é tudo facistas e golpistas. Eleições, reeleições, plebidcitos e referendos são o quê caras pálidas.
Não adianta esta mídia golpista mentir, hoje há outros meios de comunicação.
Vem aí o 3° mandato para o metalúrgico, aguardem.

Garroucha disse...

Coitado desse brasileiro, mais um indivíduo na massa de manobra do PT e sua gente. "Anônimo" creio que você é um anlafabeto funcional como o presidente que você prestigia. Acorda meu filho, se você é pobre, você também paga a CPMF imbutida nos alimentos e em tudo. Leia, porque seu raciocínio além de raso e preconceituoso(perdoe-me) e burro.

Crisântemo disse...

"Anônimo" tenha a santa paciência!
Mídia golpista? Você deveria ir morar na terra de Hugo Chávez, lá você iria ver o que é bom para tosse. Você ao menos sabe o que é fascismo? Você acha que Chávez tem um pingo de decência? E o Lula com o seu "nunca soube de nada", MENSALÃO, CPIssss, caos AÉREO, CPMF, impostos e mais impostos nas nossas costas. Ora, faça-me o favor.