terça-feira, 20 de novembro de 2007

Pe. Lancelotti, a "esquerda católica" e o PT

Pe. Lancelotti, a "esquerda católica" e o PT
Se há uma história que está bem longe de ser esclarecida é a do Pe. Júlio Lancelloti.

Grande ídolo da "esquerda católica" e da Teologia da Libertação, ligado aos movimentos sociais e muito próximo ao PT, o Pe. Lancelloti sempre foi conhecido por sua "opção preferencial pelos pobres". Opção que, utilizando e manipulando a condição dos menos favorecidos, busca a subversão de todos os valores morais e sociais que a Igreja sempre pregou. A teologia marxista condenada de há muito.

Frei Betto, um dos próceres de tal teologia (para chamá-la assim) considerava o Pe. Lancelloti um "santo" moderno. Este "santo", fiel a certas doutrinas da esquerda e em nome dos "direitos humanos", fez sistematicamente um trabalho em prol dos marginais e agressivo em relação às autoridades policiais.

Escândalo abala "esquerda católica"
Estourou, finalmente, um escândalo. Um escândalo que inclui envolvimento com ex-internos da Febem, protegidos do Pe., denúncias de pedofilia e de relações homossexuais, chantagem, desvio de vultosas verbas de ONGs. Tudo muito longe de ser esclarecido.

Chamou a atenção o engajamento de líderes da "esquerda católica" em defender incondicionalmente o Pe. Lancelloti, inclusive o Arcebispo de S. Paulo, D. Odilo Scherer.

Chamou igualmente a atenção o afã com que o PT se apressou em sair em defesa do Pe. Lancelloti. Greenhalg, eminente petista, foi nomeado para entrar no caso como advogado de defesa. O mesmo Greenhalg que Lula se apressou em chamar para "esclarecer" o assassinato do Prefeito de Santo André.

A propósito deste rumoroso caso, o doutor em jurisprudência pela Universidade de Urbino (Itália), e especialista em Direito Canônico, Francesco Scavolini, escreveu na Folha de S. Paulo (19.nov.2007) o contundente artigo Sujeira na Igreja:

  • ""Quanta sujeira existe na igreja! Até mesmo no meio daqueles que, sendo sacerdotes, deveriam pertencer inteiramente a Deus". Essas palavras foram pronunciadas pelo então cardeal Ratzinger durante a meditação da Via Sacra no Coliseu, em Roma, na Sexta-Feira Santa de 2005, poucos dias antes da morte do papa João Paulo 2º.

    É provável que, com as referidas palavras, o futuro Papa quisesse referir-se não somente aos casos de abuso sexual envolvendo o clero mas também aos desvios e erros doutrinários com graves conseqüências éticas e morais para a vida da igreja e da sociedade. ....

    Infelizmente, parece que, no Brasil, algumas das autoridades da Igreja Católica nem sempre seguem o exemplo da Santa Sé.

    Por exemplo, se essas autoridades tivessem punido e afastado o padre Lancelotti uns anos atrás, quando ele, violando as normas canônicas, apoiou pública e abertamente, tanto em 2000 como em 2004, a candidata a prefeita Marta Suplicy (Marta, que defendia e defende ainda hoje o aborto, o divórcio, o casamento entre homossexuais, a descriminalização das drogas, foi fazer até comício dentro da igreja do padre Lancelotti, no altar, tendo ao lado o mesmo padre, que pedia votos para ela), teriam certamente cumprido sua tarefa de preservar o povo católico e a sociedade de gravíssimos desvios éticos e morais, poupando também a igreja do grave escândalo que a atinge.

    De fato, a principal função do magistério eclesiástico é a de guiar o povo de Deus no caminho da fé. Contudo, parece que alguns desses guias perderam, eles mesmos, o rumo.

    Vou citar somente um exemplo. Em agosto de 2005, no cume da crise de corrupção que aturdia o governo, o presidente Lula, buscando o apoio da igreja, enviou uma carta à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) em que, reafirmando explicitamente o seu catolicismo, não só tomou posição em defesa da vida em todos os seus aspectos e em todo o seu alcance mas também prometeu que o seu governo não tomaria nenhuma iniciativa que contradissesse os princípios cristãos.

    Música para o ouvido dos bispos e do povo católico, não fosse que, um mês mais tarde, o governo Lula decidiu apresentar ao Congresso, por meio da ministra Nilcéa Freire, o projeto para a liberação do aborto.

    Esse projeto, incorporado ao texto do substitutivo da então relatora Jandira Feghali, está em tramitação no Congresso e permite a descriminalização total e absoluta do aborto (sim, caro leitor, se o referido projeto for aprovado pelo Congresso, qualquer bebê poderá ser eliminado até poucos minutos antes do nascimento sem que os matadores sejam punidos).

    E o católico Lula, será que foi punido por ter enganado a igreja ? Não, caro leitor, mesmo depois de tudo isso, mesmo depois de ter sancionado a lei que permite a manipulação e a destruição de embriões humanos, mesmo depois de ter recentemente chamado de hipócrita a igreja, o católico Lula, bem como o católico Lancelotti, não foi punido pela igreja.

    Lula, aliás, foi premiado com a recente visita do ex-arcebispo de São Paulo, dom Cláudio Hummes, que foi celebrar missa para o presidente e uns poucos convidados na capela do Palácio da Alvorada e, durante a homilia, comparou Lula a Jesus."
Cadastre seu email aí ao lado e receba atualizações deste blog.

9 comentários:

Otaviano disse...

O padre Júlio Lancellotti participou de todas as campanhas eleitorais de Lula. Em 2002, Lula apresentou a seguinte "solução" ao tratar do problema dos menores abandonados:"Você pega o padre Júlio e bota ele pra cuidar de crianças, ele vai cuidar melhor do que qualquer aparelho de estado". É, vocês viram, pois é, dependendo do que a polícia descobrir talvez não seja uma idéia tão boa botar o padre Júlio para cuidar de criança.

Augusto disse...

O padre Júlio Lancelloti era o coordenador da Pastoral do Povo de Rua. Doravante será conhecido como o "coordenador da Pastoral da Mitsubishi Pajero.

Garroucha disse...

O padre Júlio Lancellotti declarou que pode contar apenas com os 1.000 reais que recebe.MENTIRA. Desde 1975, ele é funcionário contratado da Febem, e continua a ganhar do estado 2.400 reais. Afora sua ONG, Bom Parto, para a qual a prefeitura repassa 500.000 reais. A polícia precisa esclarecer de onde saiu o dinheiro para pagar a "chantagem"? "presente"? ao Anderson Batista.

Otávio disse...

No ano passado o padre Júlio Lancellotti acusou a prefeitura paulistana de práticas "higienistas", por querer tirar os moradores de rua do centro da cidade dando-lhes "só um albergue". Pode-se avaliar que o padre ofereceu ao morador de rua que ameaçou denunciá-lo por pedofilia, mais do que um albergue. Ofereceu-lhe o aluguel de uma casa, uma bicicleta, uma motocicleta, um terreno, uma viagem à praia e ei-la + uma mitsubishi pajero. Bem que ele poderia estender sua "amizade" a todos os moradores de rua da cidade.

Therèse disse...

O Ministério da Saúde(ministro Temporão) desconsiderou a Conferência Nacional de Saúde que proibiu a discussão sobre aborto no país. Temporão passou a destacar o tema e a defender um plebiscito para "decidir" sobre a descriminização da interrupção da gravidez. As feministas de diversas matizes e o grupo "Católicas pelo direito de decidir" vêem o ministro com bons olhos e rotulam de "patrulha do fundamentalismo religioso" quem opõem-se ao aborto. Meu Deus! Quem é contra o aborto defende a vida e não a morte!

Crisântemo disse...

Quem tem memória lembra-se da notícia veiculada em jornal sobre o casamento da filha de Antônio Ermírio de Moraes na Catedral da Sé, (salvo engano em outubro de 2005) e a performance de "líder" do padre que juntou-se aos moradores de rua para fazer a "demagogia da titicaria da libertação" que os "oprimidos" estavam do lado de fora da igreja e os "opressores" estavam lá dentro. Ora, francamente, onde está o afã deste padre de converter os incrédulos pelo coração e não com demagogia barata, colocando o maniqueísmo BEM e MAL, pobres e ricos, oprimidos e opressores, etc. O padre deveria abandonar ou ser expurgado da Igreja Católica e candidatar-se a algum cargo eletivo. Poupe os católicos da sua sujeira, Pe Júlio Lancellotti.

Olívia disse...

O escândalo protagonizado pelo Sr. padre Júlio Lancelloti foi bem aproveitado pela Rede Record do "bispo" Edir Macedo (que é a favor do aborto), que exibiu até um "ESPECIAL" sobre a pedofilia dos padres, principlamente americanos, objetivando atingir todos os que professam a fé na Santa Igreja Católica e quem sabe arrebanhar os "católicos fracos" para seu "rebanho de puros". Esse Sr. padre Lancellotti deveria ser expurgado, execrado publicamente pelos seus desvios ideológicos, morais e teológicos. Enquanto isso os "evangélicos" estão contentes com a sujeira fétida que exalou do episódio deprimente e desse padre inominável.

Gilberto disse...

A falha da Igreja Católica é justamente tolerar o pecado em suas fileiras. Na Igreja Evangélica também há casos de corrupção moral. A diferença é que o infrator é levado à disciplina pela igreja local.
Não quero aqui defender o Bispo Macedo, mas não creio que ele defenda o aborto. Um cristão não pode defender tal prática.
Creio que a intenção do atual papa católico é justamente apertar o cerco em relação a certas práticas pecaminosas no meio sacerdotal católico. No que faz ele muito bem.

Anônimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!