segunda-feira, 17 de março de 2008

Terrorismo premiado

Terrorismo premiado
A propaganda, item no qual o atual governo é especialista, criou um logotipo: Brasil, um país de todos!

Mas, como já tive oportunidade de dizer aqui, o que se está construindo é um Brasil, país de poucos.

Sim, poucos que "aparelham" a máquina do Estado, por pertencerem a um partido; poucos que administram imensas máquinas de corrupção e ficam impunes; poucos que violam a estabilidade legal sem serem importunados; poucos que são premiados pelos crimes que cometeram, etc.

Prêmio ao terrorismo
Nestes dias uma revelação chocou o público, ou pelo menos quem ainda tem valores e um mínimo senso de justiça.

O antigo terrorista da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), Diógenes Oliveira, ganha do Estado uma pensão vitalícia de 1.627 reais, além de embolsar 400.000 reais referentes a pagamentos atrasados.

Uma das vítimas de seus atos terroristas, Orlando Lovecchio Filho, que teve esfacelada uma de suas pernas, há quatro anos passou a receber uma pensão por invalidez de 571 reais.

Assim se premia o terrorismo! Diante disso, quem ainda pode estranhar as atitudes complacentes de nossa diplomacia e do Presidente Lula com o terrorismo das FARC? (Leia abaixo Duplicidade diplomática e Neutralidade dos covardes).

Os excluídos do Presidente
A matéria de Veja (19.3.2008) Terror premiado, assinada por Alexandre Oltramari fala por si:

  • "O Brasil continua vivendo o paradoxo de premiar quem deveria ser punido e punir quem deveria ser premiado. Em 1968, Orlando Lovecchio Filho, então com 22 anos, foi vítima de um ato terrorista. Uma bomba detonada por militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), um grupo terrorista de esquerda, dilacerou uma de suas pernas, que teve de ser amputada. A ação tinha como alvo o consulado americano em São Paulo. Mutilado, Lovecchio, a vítima, teve de abandonar o sonho de se tornar piloto comercial e, há quatro anos, passou a receber do INSS uma pensão por invalidez no valor de 571 reais. Na semana passada, o colunista Elio Gaspari, dos jornais O Globo e Folha de S.Paulo, revelou que o destino, ou melhor, o estado brasileiro foi bem mais generoso com um outro personagem da história. Diógenes Carvalho Oliveira, o autor do atentado, recebeu do governo federal a confirmação de sua aposentadoria como vítima da repressão durante o governo militar. Além de uma pensão vitalícia de 1 627 reais, Diógenes vai embolsar 400 000 reais referentes a pagamentos atrasados. Um prêmio, sem dúvida, ao absurdo.

    Depois do atentado, Diógenes ainda participou de cursos de treinamento em explosivos em Cuba, atacou quartéis do Exército e esteve envolvido na execução de um americano considerado suspeito. Preso, ele foi torturado pelos agentes do governo e, depois, libertado em troca do cônsul do Japão em São Paulo, que havia sido seqüestrado pela guerrilha. O terrorista fugiu para o México, viveu na Europa e passou três anos na África. De volta ao Brasil, foi filiado ao PT até sua voz aparecer em uma gravação na qual pedia ao chefe da polícia do Rio Grande do Sul que aliviasse a repressão aos bicheiros gaúchos. ....

    Ao saber do prêmio dado ao terrorista, ele [Lovecchio] apenas lamentou e disse que já escreveu três cartas ao presidente Lula para pedir que seja criada uma lei que garanta os mesmos benefícios às vítimas da guerrilha. "Não quero vantagem nenhuma. Só igualdade e justiça", diz ele. As cartas nunca foram respondidas."

Vejam bem, terrorismo, PT, bicheiros... é este o Brasil, país de poucos!

Cadastre seu email aí ao lado e receba atualizações deste blog

2 comentários:

Anônimo disse...

ESTARRECEDOR!
É um absurdo!
Condolências ao Itamaraty!
Uma lástima!
Tirem ou atirem na "anta" porque nem o Mainardi conseguiu!
Ass. Augusto

Carlos disse...

É lendo uma notícia dessas que fico encabulado por ter votado no Lula...