sexta-feira, 9 de novembro de 2007

MST: as milícias de Lula e do PT

MST: as milícias de Lula e do PT
A coluna de Sonia Racy no jornal O Estado de S. Paulo (8.nov.2007) registra as declarações do empresário Horácio Piva sobre o bom momento da economia nacional, com investimentos em marcha e aceitação internacional crescente dos produtos brasileiros.

Piva alerta, entretanto, para as medidas que se tornam necessárias para que o País possa escalar novas posições: o Brasil precisa avançar na questão da infra-estrutura - "e estamos dispostos a ajudar" - na adequação tributária e na definição clara dos marcos jurídicos para a questão florestal e, sobretudo, o governo precisa atentar para os riscos das ações estapafúrdias do MST e dos quilombolas.

O alerta é cheio de propósito! Sim, o Brasil está à mercê de ações estapafúrdias e criminosas que visam inviabilizar o agro-negócio.

Só faltou Horácio Piva apontar a fonte de tais ações: o governo e a pessoa do Presidente!

Estapafúrdios e crimes
Na verdade, os estapafúrdios que vêm sendo feitos em nome dos direitos quilombolas resultam diretamente de um decreto assinado pelo Presidente. O confisco, inclusive de terras produtivas, previsto no decreto se baseia numa simples auto-declaração da condição de descendente de quilombola por parte do interessado, sem necessidade de qualquer prova documental, o que de si subverte completamente o princípio constitucional da propriedade (ver post abaixo A revolução Quilombola).

Por sua vez, as ações estapafúrdias do MST (melhor seria dizer, as ações criminosas do MST) só podem progredir pela aliança do PT com o movimento e pelo acobertamento com que Lula trata tal atuação. O MST vai se tornando aos poucos uma verdadeira milícia de Lula e do PT.

Encontro camuflado
Para quem tem alguma dúvida, basta ler o que a imprensa estampa sobre a reunião "às escondidas" de Lula com os dirigentes do MST na Granja do Torto. Noticia a Folha de S. Paulo (8.nov.2007):

  • "Na reunião, Lula mais ouviu do que falou. Por uma hora e meia, dirigentes do MST cobraram dele o assentamento de acampados, a atualização dos índices de produtividade, a reestruturação dos assentamentos e uma atenção ao avanço das monoculturas, como cana e soja, e dos transgênicos. Lula mostrou-se surpreso com as cobranças: "Estou chocado com algumas dessas questões. Pensei que estivessem resolvidas, mas não estão", disse.

    Houve espaço para brincadeiras. Ao entrar na sala, Lula interrompeu uma conversa de ministros e sem-terra sobre tendências políticas no governo. "Quem está mais à esquerda no governo é o [Henrique] Meirelles [presidente do BC]", disse Lula, provocando risos. Mais adiante, Lula ouviu críticas ao modelo econômico.

    Do governo, participaram os ministros Luiz Dulci (Secretaria Geral), Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário) e Dilma Rousseff (Casa Civil) e o presidente do Incra, Rolf Hackbart. Do MST, oito dirigentes nacionais, entre eles João Pedro Stedile, Jaime Amorim e Marina dos Santos.

    O MST cobrava uma conversa com Lula desde o ano passado -a última havia sido em maio de 2005, após uma marcha entre Goiânia e Brasília. Em maio, um encontro às escondidas, nos mesmos moldes do ocorrido ontem, havia sido agendado para a residência da ministra Dilma, mas foi adiado em cima da hora por conta da crise da Operação Navalha.

    Ontem, o Planalto tentou esconder a reunião. O encontro não constava da agenda oficial de Lula e só foi confirmado quando estava em andamento. Questionado, Cassel disse: "Essas reuniões são muito informais mesmo. São reuniões de conversas, reuniões longas"."

É curiosa uma reunião "informal" com tantos ministros e com o Presidente da República. As brincadeiras mostram a grande intimidade com que o MST é tratado e dita sua agenda, quase como fazendo parte do governo.

É curioso também que Lula se diga "chocado" com as questões colocadas pelo MST. Mas não se choca com os crimes perpetrados pelo movimento.

Afinal, o que Lula faz reunido secretamente com líderes de um movimento para-guerrilheiro, que comete continuamente a afronta à lei? O que Lula tem que combinar com tais líderes do movimento, secretamente?

Só para recordar: há dias, João Pedro Stédile, em artigo comemorativo da Revolução Russa de 1917, propunha a mesma como modelo para o Brasil e pregava ações clandestinas para alcançá-la.

Será que o Presidente da República, guardião do Estado de Direito é conivente com tais iniciativas? É grave, muito grave e os brasileiros têm o direito de conhecer a verdade.

Divulgue: clique no envelopinho aí embaixo e envie este post a amigos.

2 comentários:

Thèrese disse...

Quatro fatores "sine que non" urgem ações firmes para que investimentos estrangeiros ocorram e para a aceitação internacional de nosso produtos:1)Avançar na infra-estrutura;2)Adequação tributária;3)Definição dos parâmetros jurídicos da questão florestal;4)Aplicar as leis referentes ao Estado de Direito,visto que há ações criminosas e ilegais de movimentos (MST e outros)que encontram guarida sob asas de um Apedeuta, o chefe da nação.

Otaviano disse...

Realmente é estarrecedor perceber a que ponto chegou o Lula e a que ponto chegou o Stédile que é um bandido de marca maior. Ora, conversar em Brasília numa reunião "não agendada" e pretensiosamente anônima com um indivíduo que não respeita as leis, é agredir a inteligência dos brasileiros. A reunião poderia chamar-se "Lição de impunidade dada pelo Lula". Aliás, o Lula é um cidadão, chefe da nação, impune. Isso que chama-se esquerdopatia. Todos estão contaminados.