sábado, 19 de janeiro de 2008

FARC nunca mais!

FARC nunca mais!
Como acabei de afirmar no post aí em cima, é avassaladora a inconformidade dos colombianos com as FARC, sua ideologia e seus métodos. Cerca de 93% da população repudia as FARC e apenas 1% apoia sua ideologia.

Por outro lado cresce a indignação dos colombianos com as inúmeras investidas do Presidente Hugo Chávez, da Venezuela, contra a soberania do país, inclusive fazendo a absurda proposta da comunidade internacional deixar de qualificar as FARC de organização terrorista.

Protesto mundial contra as FARC
Por isso um grupo de colombianos lançou pela Internet um protesto mundial contra as FARC.

Partindo da idéia de fazer uma passeata em todo o país no dia 4 de fevereiro, lançada no site de relacionamentos Facebook, quatro desconhecidos se uniram para organizar o movimento "FARC nunca mais!".

O movimento já tem representantes em mais de 60 cidades fora da Colômbia, como Madri, Paris, Nova York e Buenos Aires, e para as cidades onde não esteja prevista a passeata, pede que os colombianos hasteiem a bandeira da Colômbia.

Os organizadores do protesto internacional já contavam hoje com 150.000 adesões, as quais crescem a um ritmo vertiginoso (veja o site do movimento).

Grupo terrorista, inimigo do povo e do mundo
Em entrevista a O Globo on line (17.jan.2008), um dos organizadores do protesto internacional, o jovem de 21 anos Carlos Andres Santiago, afirmou:

  • "Como nasceu o movimento?
    SANTIAGO: O movimento "No mas Farc" nasceu como uma iniciativa do povo, de cidadãos que estão em comum para deixar as diferenças de lado, rechaçar os atos terroristas e mostrar a todo o mundo o repúdio que nos causa a violência das Farc e suas ações contra a Colômbia e o mundo.

    Qual é o principal objetivo?
    SANTIAGO: É para que todos manifestem sua dor e seu repúdio contra todas as maldades, todos os delitos de lesa-humanidade, as lesões ao direito internacional humanitário, e todos os atos que as Farc cometeram contra a população civil no país. Queremos chamar a atenção da comunidade internacional. Nós sabemos quem são as Farc.

    Vocês buscaram apoio político?
    SANTIAGO: Temos uma posição muito clara em relação a isso. Não temos nenhuma filiação política.... Estamos comprometidos a escutar a todos e fazer com que todo mundo nos escute. Que escutem nosso grito: "No mas Farc". Estamos comprometidos a fazer o mundo saber que as Farc são um grupo terrorista, assassino, inimigo do povo e inimigo do mundo.... Convocamos todos, independente da filiação política. Todos estão muito mobilizados, sejam de esquerda, de direita ou de centro.

    Como vêem a possibilidade de que Uribe deixe de classificar as Farc como grupo terrorista?
    SANTIAGO: Rechaçamos de maneira categórica. É muito importante que as Farc sejam qualificadas como o que são, como um grupo terrorista, porque isso fecha as portas da União Européia e de muitos governos democraticamente eleitos para que não possam receber apoio do exterior....

    Qual é a posição do movimento sobre a participação do presidente Hugo Chávez nas negociações com a guerrilha, aceitariam seu apoio?
    SANTIAGO: Como colombianos, agradecemos sua colaboração para a liberação de reféns. Mas rechaçamos de maneira contundente a solicitação do presidente para dar às Farc um status político.

    Como as Farc interferem no cotidiano dos colombianos?
    SANTIAGO: As Farc interferem de maneira real na vida dos colombianos. Eles espalham o pânico entre a população civil. A qualquer lugar que cheguem, cometem seus atos terroristas. As pessoas temem essa organização por todas as maldades e tudo que demonstraram ser capazes de fazer. Tenho certeza que quase 100% dos colombianos vemos as Farc como um grupo que seqüestra, viola o direito à liberdade, e que mantém muitos em cativeiro, em condições subumanas. É duro ver as condições dos seqüestrados, amarrados com correntes. Por isso pedimos a todos que deixem suas diferenças de lado e participem dessa grande mobilização mundial.

    O movimento acredita que as Farc podem reagir à passeata?
    SANTIAGO: Temos certeza que de já começaram a reagir. Eles já estão ameaçando alguns dos organizadores nas diferentes cidades. Eles estão dizendo que os organizadores do movimento estão todos fora do país, algo que não faz sentido. A única ferramenta que eles têm é o terrorismo. Mas nada vai nos fazer desistir dessa mobilização. Nada vai calar esse grito de 44 milhões de colombianos.

    Os organizadores esperavam que a mobilização tomasse essa proporção?
    SANTIAGO: O crescimento da mobilização foi algo impressionante. Há alguns meses se organizou uma marcha nas principais cidades do país, mas agora está ganhando terreno em outros países. Essa é sua importância: que milhares de colombianos marchem em Madri, em Paris, em Nova York, em Buenos Aires."

Cadastre seu email aí ao lado e receba atualizações deste blog

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse é o verdadeiro sentimento da opinião colombiana, que a grande mídia em geral esconde, dando mais espaço para Chavez e suas demagogias. Aqui no Brasil garanto que é assim também. A prova disso está no Movimento Cansei que, ao que parece, cansou de resistir ao bombardeio da imprensa. Espero que os colombianos tenham mais fibra que os brasileiros.

Otávio disse...

44 milhões de colombianos rechaçam as Farc que "pressiona" de modo inaceitável, espalhando medo, terror e o pânico na população. Os colombianos demonstram que atingiram seu limite em suportar esse "movimento" e decidiram posicionar-se publicamente, escancarar a indignação e o repúdio.
Mostrar ao mundo a inaceitação dessa realidade absurda e desumana que atinge o país.
Realidade cheia de horrores, pungente que afeta a todos. Sequestros, mortes, longos anos em cativeiro, prisioneiros acorrentados, operações feitas com faca de cozinha, execuções sumárias etc
Não está sendo fácil deglutir o que esse "movimento" produz e executa. Nada "agradável" esses espetáculos verdadeiros de tragédias familiares promovidas pelas Farc.