quinta-feira, 22 de novembro de 2007

A democracia brasileira corre risco

A democracia brasileira corre risco
Recebi diversos comentários sobre a importância e objetividade do último post Lula e a destruição da democracia.

É fora de dúvida que estamos assistindo a uma perigosa deterioração do regime dito democrático. E Lula deu um passo significativo e simbólico nessa marcha ao elogiar incondicionalmente o regime ditatorial de Chávez como "democrático" (ver post Lula o "chavista" dissimulado).

Apoio que o neo-ditador venezuelano aproveitou e agradeceu com estardalhaço, como tive também oportunidade de comentar no post Chávez comemora apoio de Lula.

Lula mais perigoso do que Chávez
Decidi, então, voltar ao tema, pois é necessário alertar para a gravidade do que está ocorrendo atualmente no Brasil. Para alguns talvez de modo despercebido.

O título que dei a este comentário, A democracia brasileira corre risco, poderá parecer alarmista, mas ele não é de minha autoria. Extraí a frase do editorial do Estado de Minas (16.nov.2007) Lula igual a Chávez?.

Se há uma coisa de que não se pode acusar os mineiros é de serem exagerados ou amigos do estardalhaço. Pelo contrário, é proverbial seu comedimento e seu aguçado tino político, o que torna especialmente importante o mencionado editorial, o qual, com perspicácia, afirma que o "simpático Lula" às vezes dá a impressão de ser mais perigoso do que Chávez:

  • "O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve esclarecimentos convincentes a respeito da defesa que fez do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, contra o puxão de orelhas com que o rei Juan Carlos, da Espanha, mandou o coronel caudilho fechar sua desrespeitosa matraca, durante reunião de chefes de estado, no Chile. A fala de Lula deixa qualquer brasileiro medianamente informado e livre para exercer um mínimo de crítica com o direito de chegar a duas conclusões: Lula é exatamente igual a Chávez e, a segunda, a democracia brasileira está correndo risco maior do que imaginam os pessimistas.

    Pode-se compreender a missão diplomática e moderadora que cabe ao presidente brasileiro nessa hora de ânimos exaltados. A América Latina passa por momento político delicado, com a retomada, em alguns países, do populismo exacerbado. Parece estar se repetindo, em alguns casos, um processo político com viés autoritário que, no século passado, gerou ditaduras com marcante contribuição ao atraso e à manutenção da pobreza no subcontinente. A Lula cairia bem, então, o papel de bombeiro. Quando nada para servir de interlocutor entre o destempero do midiático Chávez e o mundo civilizado. Mas está longe disso a manifestação do presidente brasileiro.

    Ao contrário, o presidente não se limitou a produzir uma versão inverídica e ingênua do episódio, na tentativa de diminuir sua importância. Foi além, aplaudindo o regime e os atos chavistas em direção a uma ditadura de conseqüências ainda imprevisíveis. .... Lula considera modelo de democracia o esquema de plebiscitos e referendos populares, tão ao gosto de Chávez e dos golpistas que usam a democracia para acabar com ela.

    Lula, se não se explicar melhor, terá, na verdade, revelado uma visão de democracia limitada pela simples falta de conhecimento ou, pior ainda, distorcida por um desvio ideológico que andava camuflado na pele de cordeiro, conveniente às disputas eleitorais. .... É a ponta do iceberg que começa pelo afago aos donos do capital financeiro, passa pela farta distribuição de bolsas-esmola para a base da pirâmide – a mesma que será chamada ao plebiscito –, esmaga o segmento crítico da classe média e termina com o total esvaziamento da representação congressual republicana. Anula a oposição institucionalizada e cala a capacidade de reação da sociedade civil organizada. Longe da truculência de Hugo Chávez, o simpático e cativante Lula dá, às vezes, a impressão de ser ainda mais perigoso do que ele."
Cadastre seu email aí ao lado e receba atualizações deste blog.

5 comentários:

Olívia disse...

Hoje parece ter havido uma "reviravolta" em Brasília. O ministro Mares Guia renunciou para defender-se das "provas" do valerioduto. Embrião de algo maior posteriormente que chamou-se mensalão. O mineiro Eduardo Azeredo(PSDB) está no rol e vamos ver a cisão ou coesão dos tucanos para dizer à nação a que vieram afinal.Com este episódio, a aprovação da CPMF está na corda bamba e o governo vai ter que correr mais que maratonista de São Silvestre. Entretanto é pertinente lembrar que o "corpo mole" da OPOSIÇÃO parece ter levado um golpe com o dia turbulento e exigido posições mais responsáveis e coerentes e não comprometimento com um aspirante a Chávez, muito bem lembrado, da "simpatia e carisma" sinônimos de engodos e inverdades para incautos.

ZEPOVO disse...

A democracia corre risco sim. A elite direitista tenta de todas as maneiras desmentir as urnas.
São democratas enquanto seu candidato ganha, se perde viram golpistas na hora.
O Brasil vive um momento de pura democracia, com garantias de todas instituições e liberdades civis. O presidente eleito e reeleito com maioria cristalina está muito bem nas pesquisas e tem apoio do povo brasileiro.
Isto é DEMOCRACIA, meus caros!

Jorge disse...

Acertada analise em seus posts...

Hoje mais uma vez voltam as declarações em torno do terceiro mandato... desta vez é o PSDB por meio de FHC que pede a Lula uma posição mais clara...

Mas a cereja do assunto esta no artigo da Elaine Cantanhêde afirmando que a base aliada ontem tentou atropelar a pauta da Câmara para fazer avançar a emenda dos mandatos multiplos... leia-se portanto terceiro mandato de Lula... ou seja seus últimos artigos estão acertando de cheio no alvo uma vez que no fundo é o governo que está fazendo mas fingindo que não são eles....

Ainda tem jornalistas chapa-branca que falam em denuncia "fantasma" de terceiro mandato... a criatividade PAGA é artificial mencionado em artigo da sucursal de brasilia da Folha (mesma aonde labuta a Elaine Cantanhêde), ou seja uma morde o outro asopra...

MARCO ANTONIO disse...

Zé Carlos,

Você leu o que saiu no Estadão, sobre a reação de Berozini ao mensalão tucano? Berzoini disse mais ou menos assim: NÃO VAMOS UTILIZAR ESTES FATOS PARA FINS ELEITORAIS. Em reusmo, levantou a bandeira branca para os tucanos agora acuados.

Enfim, há como um pacto "ético" entre petralhas e tucanos, de passar a borracha nisso tudo, e o resto que se dane, e o parlamento que fique com a imagem cada vez mais suja, contanto que Lula esteja desacoplado dessa bandalheira, como até o momento parece estar aos olhos do povo brasileiro.

Fatos como esses servem a qual propósito? Claro que não é útil para a democracia representativa. Servem apenas para o chefão de plantão fazer a ligação direta com seu povo.

tita coelho disse...

Sempre fazes as análises corretas. Lula se não é pior que Chávez...se iguala a ele...só que o povo ainda não entendeu!
beijos